quinta-feira, 31 de julho de 2008

Virtualidade

Tenho amigos virtuais. Amigos. Com todo o peso que essa palavra possa ter. Não, eles não são psicopatas, não têm 10 anos e nem são frutos da minha imaginação. Mas eu não quero que você acredite nisso. Eu não sei se acreditaria se não tivesse essa experiência. Agora, se você se considera uma pessoa de “mente aberta”, você deveria achar isso tão normal quanto sentar num barzinho para tomar umas cervejas.
Por que não se pode conhecer através da internet uma pessoa com quem você se dê bem, a ponto de querer estar sempre em contato e na primeira oportunidade conhecê-la pessoalmente? Fruto da evolução tecnológica, só isso. Atrasado é quem não acredita.
Uma amizade virtual é diferente, e isso é fato. Mas nem sempre ser diferente é ser pior. Entrar no MSN ou acessar seu perfil do orkut é diferente quando você tem pessoas com quem seu único contato é por ali. É diferente para melhor. É mesmo difícil definir o quão profundo pode ser um relacionamento a qualquer nível onde não haja contato físico ou verbal. Descobrir a voz de um amigo seu depois de alguns meses de convivência é algo prazeroso, divertido, inexplicável.
Conhecê-lo pessoalmente é sempre uma aventura. Você se depara com aquela pessoa que sabe tanto a seu respeito e de repente não sabe como agir. Mas isso passa em poucos minutos. Depois que a conversa se inicia, você percebe que a internet não é uma ilusão. Seu amigo virtual é tão interessante quanto você o achava no computador.
A sensação é até um pouco estranha. Mas na internet você aprende a conviver com pessoas diferentes, na marra. Meus amigos virtuais se conhecem, virtualmente também. E nesse ciclo de pessoas que se gostam “sem se conhecerem” tem gente de todo canto, de todo tipo. Gente nova, gente velha, gente normal, gente maluca, gente que faz faculdade, gente que trabalha, gente que fica o dia todo no computador, mas sempre gente interessante.Quer saber? Tenho muita sorte de conhecer cada uma das pessoas que vai ler esse texto e com ele se identificar. Afinal, se eu for pro Rio Grande do Sul, pra Santa Catarina, São Paulo, Rio, Goiás, Brasília, Maranhão e provavelmente qualquer lugar do país, vai ter sempre um ombro amigo disposto a me acolher. Um ombro verdadeiramente amigo.

6 comentários:

Laila Hallack disse...

retiro aquele comentario q eu fiz! hehe
realmente, eh mto legal ver quantas amizades vc tem pela internet =)
e adorei o texto. como sempre, ne!

disse...

Adorei o texto e concordo. Assim como você também amigos virtuais que inclusive, moram longe.
E a relação de reciprocidade e amizade pode ser sentida via internet. Por que não né?

Leti * disse...

Oiiii.
Eu tbm depois de muito tempo venho responder seu comentário. hehe
E acho que venho no texto certo, eu estou lendo e me identificando, tbm tenho muita sorte de ter achado tão fabuloso blog. ^^
E eu vou te linkar sim, senhor.
E vc deve fazer o mesmo.

Voltarei sempre, certeza!

Beijos.
Até mais um contato virtual! ;)

Lucas disse...

eu sou um amigo virtual dele
hahaha
=D
e vou me dar ao luxo de pensar q a parte do encontro se referia a mim...
\o

Mr. HaG disse...

Quando vier ao Rio podemos nos divertir bastante, é claro que vou cobrar estadia, mas o preço é camarada, afinal de contas, turista sempre ´"bem recebido"

Fee.Chagas disse...

Nem preciso dizer o quanto significa para mim ter um amigo como você neeh Álvaro, vc marcou 2008 para mim, 13 de Janeiro de 2008, foi o dia em que eu me tornei próximo de vc, nossa amizade já tem um pouco mais de tempo, suponho que já fizemos 1 ou 2 anos de amizade, mas a marca que esse dia, acima citado tem para mim, é um marco onde nos conhecemos profundamente. ♥